teste minha imagem
Google+

Blog 26.09.2016

Fotogrando Surfe

Comecei na arte de fotografar com a fotografia de surfe. Acredito que essa paixão pelo mar vem da época em que comecei a surfar, com meus vinte e poucos anos. A fotografia aconteceu no mesmo momento que o surfe surgiu em minha vida, época em que também adquiri minha primeira câmera fotográfica, uma Canon 30D.

Comecei fotografando meus amigos surfistas no litoral norte de São Paulo. Fazia tudo da areia e me dividia entre o surfe e a fotografia.

Através das minhas fotos, sempre quis passar a sensação do que é estar realmente surfando, por isso fotografava também de dentro do mar. Para levar meu equipamento para a água em segurança, eu utilizava – e a ainda utilizo – uma caixa estanque, um equipamento que envolve câmera e lente para protegê-las da água. Dessa forma eu fico bem próximo dos surfistas e consigo imagens mais intensas.

Por esse motivo, o mar é onde mais gosto de estar ao fotografar. A sensação é de estar surfando junto, a emoção e a adrenalina aumentam e consigo traduzir tudo isso em imagens.

 (Foto: Ale Rodrigues) – Canon 7D + EF 70-200mm f/2.8 L IS II USM – 1/1000 – ISO 200 – f/5.6

Costumo fotografar no modo manual da minha câmera, tanto na areia quanto na água. Quando estou na areia, utilizo lentes do tipo tele, que variam desde a EF 70-200mm F/2.8L IS II USM até a EF 400mm F/2.8L IS USM II.

Utilizo também o método de medição pontual (spot) e sempre trabalho com o foco no modo AI Servo para que o foco siga o surfista conforme ele avança na onda. Além de combinar todas essas configurações, também fotografo em modo de disparo contínuo para não perder o melhor momento da manobra. Seguro o botão de disparo e faço as fotos combinando todas as funções (spot, AI Servo e disparo contínuo).

Num dia ensolarado, começo ajustando a câmera para velocidade 1/1600, com ISO 160 e abertura do diafragma para f/5.6. Essa é uma configuração equilibrada e interessante para a velocidade e a dinâmica desse estilo de fotos. Mas, a partir deste ponto, vou ajustando conforme as condições de luz vão se alterando.

Evito utilizar velocidades menores que 1/1000, pois, como o surfe é um esporte de muita agilidade, ao utilizar velocidades menores que essa é possível que não consiga congelar a ação.

 (Foto: Ale Rodrigues) – Canon 7D + EF 400mm f/2.8L USM – 1/1250 – ISO 160 – f/5.6

Sempre faço a fotometria utilizando a pele do surfista como base, pois a espuma da onda é muito branca, principalmente num dia muito ensolarado, e pode enganar o fotômetro. Para compensar essa diferença, abro de 1/3 a 2/3 de exposição para mais, aumentando a abertura do diafragma, sempre observando o histograma do LCD da câmera para ter certeza de que a foto está com a fotometria correta.

 (Foto: Ale Rodrigues) – Canon 7D + EF400mm f/2.8L USM – 1/2500 – ISO 100 – f/3.2

Quando estou dentro do mar, faço minhas fotos com a Canon EOS 7D e a lente EF 70-200mm F/2.8L IS II USM, sempre montadas dentro de uma caixa estanque à prova d’água.

 (Foto: Ale Rodrigues) – Canon 7D + EF400mm f/2.8L USM – 1/2500 – ISO 100 – f/3.2

Opto sempre por lentes versáteis para fotografar surfe. A EF 100-400mm f/4.5-5.6L IS II USM, por exemplo, é uma boa pedida, pois você conseguirá se adaptar melhor em qualquer condição de praia.

Um ponto muito importante ao estar com seu equipamento na praia é protegê-lo da melhor forma possível contra as condições de umidade alta, maresia e areia. Sem os cuidados certos, a praia pode ser um ambiente hostil para uma câmera.

Quando estou fotografando na areia, sempre utilizo uma mochila com tamanho adequado para armazenar a câmera e as lentes. Dessa forma, protejo os equipamentos e os mantenho seguros. Quando não estou usando as lentes, sempre coloco a tampa para evitar o acúmulo de maresia no elemento frontal. Evito a todo custo trocar lentes quando estou fotografando na areia. Se mesmo assim for necessária a troca, eu procuro guardar rapidamente a lente e proteger a câmera virando a frente dela em direção ao meu corpo, para evitar que o vento ou a maresia entrem em contato com o espelho ou sensor da câmera.

Já quando estou fotografando dentro da água, procuro chegar à praia com a caixa estanque previamente fechada e só costumo abrir e remover a câmera e a lente quando saio da praia, pois sei que dentro estarão bem protegidas.

Ao chegar em casa, utilizo um soprador para remover eventuais pequenos grãos de areia da frente da lente. Se ela estiver com muita maresia, utilizo um kit de limpeza de lentes.

 (Foto: Alex Nunes Brilhante) – me preparando para fotografar no mar.

Se quiser começar a fotografar surfe, lembre-se: aja com segurança, seja cauteloso e conheça os seus limites ao fotografar dentro do mar! O oceano pode ser perigoso. Respeite-o sempre.

Mas acima de tudo, divirta-se!

Publicado por: Ale Rodrigues Categoria: Inspire-se

Comentários

Deixe seu comentário
Elias Rosal Martins Neto

Sempre tive curiosidade nesse tipo de fotografia. Esse artigo dirimiu algumas das minhas dúvidas. Parabéns ao Ale Rodrigues pelo excelente trabalho.

Obrigado, Elias!