teste minha imagem
Google+

Blog 01.11.2016

Fotografando cenas em contraluz

Desde quando iniciei na fotografia, a luz que mais me fascina é a do contraluz. Com ela é possível brincar com o contraste entre luz e sombra, pois eles ficam muito mais evidentes. E por conta disso dão mais dramaticidade para as cenas destacando as formas dos objetos fotografados.

O contraluz nada mais é do que fotografar um objeto com uma luz de fundo muito mais forte do que a luz que ilumina o objeto. Essa luz pode ser o sol, o próprio céu após o pôr do sol, um flash e até mesmo, estando no interior de um ambiente, a luz externa advinda da janela ou porta. Enfim, são diversas as possibilidades em que é possível se deparar com este tipo de luz.

 Canon EOS Rebel T3 - EF-S 18-55mm f/3.5-5.6 IS II - ISO 200 - 1/50 - F6.3 - 28mm 

Como minha fotografia é mais voltada para paisagens e viagens, utilizo muito desta técnica para dar um ar dramático às fotos, ou, por que não dizer de "mistério". Além disso, consigo tons incríveis de cores utilizando desta técnica.

Um dos motivos para conseguir estes tons é porque sempre busco fotografar na hora dourada (mais ou menos uma hora depois do nascer do sol e uma hora antes do pôr do sol).

Este é o horário ideal para fotografar cenas de contraluz. Isso se deve ao fato de que o sol se encontra próximo ao horizonte e, por sua vez, é mais fácil de enquadrá-lo na foto, ficando, assim, de frente para a câmera. 

 Canon EOS 6D - EF 24-105mm f/4L IS II USM - ISO 125 - 1/400 - F9 - 55mm

Caso não esteja fotografando neste horário, a melhor maneira de conseguir o contraluz, utilizando-se de luz natural, seria fotografar em ambientes  fechados. Neste caso, sempre busco uma porta ou janela e faço a foto voltado para elas, o resultado desses clicks serão silhuetas incríveis.

 Canon EOS 6D - EF 24-105mm f/4L IS II USM - ISO 100 - 1/500 - F4 - 24mm

Entretanto, ao fotografar nestas situações de contraluz, iremos nos deparar com a dificuldade de achar a exposição correta para a foto (principalmente se usarmos a medição matricial).

Quando a cena contém um grande contraste entre luz e sombra, a câmera não conseguirá expor para ambos. Assim, é  preciso decidir para qual assunto devemos fazer a correta exposição. Se fizermos a fotometria na área das sombras, conseguiremos ter uma foto com os detalhes da sombra mas o fundo ficará branco, estourado. Porém, se for feita a exposição nas áreas claras da cena, as sombras ficarão escuras, preto total. 

Por essa razão é essencial mudar o modo de medição da câmera para fotografar em contraluz.

Em minha Canon 6D, utilizo o modo de medição pontual. Assim, consigo ter controle de que assunto quero ter a exposição correta. Caso o modelo de sua câmera não possua este tipo de medição, é possível ter bons resultados usando o modo de medição parcial. 

 Canon EOS 6D - EF 17-40mm f/4L USM - ISO 400 - 1/100 - F10 - 17mm
(A medição foi feita no chão próximo ao mar para conseguir os detalhes na areia)

Tendo isso em mente, para conseguir fazer fotos de silhuetas, por exemplo, devemos fotometrar no fundo. Dessa maneira, todos os elementos da cena que estão entre a câmera e o fundo ficarão subexpostos, revelando as formas de cada um. Por isso costumo fazer esse tipo de foto quando o objeto é bastante conhecido e é possível distinguir cada item da cena. Pois, caso contrário, ficarão silhuetas irreconhecíveis.

 Canon EOS Rebel T3 - EF 24-105mm f/4L IS II USM - ISO 100 - 1/640 - F5,6 - 105mm
(A medição foi feita no céu próximo ao canto inferior direito)

Nas fotos de paisagem, quando minha pretensão não é fazer apenas fotos de silhueta, tentar fotografar o nascer ou pôr do sol acaba sendo desafiador. Quando consigo uma boa exposição no céu, com todos seus detalhes, o primeiro plano fica subexposto. Ou caso consiga uma boa exposição no primeiro plano, tenho um céu branco (estourado). Conforme as fotos abaixo:

 Canon EOS 6D - EF 17-40mm f/4L USM  - (01) ISO 50 - 1/200 - F10 - 17mm / (02)  ISO 50 - 1/30 - F10 - 17mm

Nestas situações, faço uso de filtros graduados ou faço o bracketing, também conhecido como HDR, que são as várias exposições da mesma cena para mesclar no pós. Se você quiser saber como fazer o HDR, basta clicar aqui.

No primeiro caso coloco na frente da minha lente um filtro de densidade neutra graduado. Normalmente ele é feito de resina ou de vidro, possuindo em uma metade um filtro de densidade neutra e na outra metade ele é completamente transparente. Assim, consigo fazer a foto mantendo todos detalhes tanto no céu quanto no primeiro plano da foto.

No segundo caso, faço uso da função bracketing disponível nas câmeras Canon. Essa função nada mais é do que disparar três ou mais fotos com exposições diferentes da mesma cena. Assim é possível obter todos detalhes nos claros e escuros ao mesclá-las no programa de edição. Para este caso, é essencial usar um tripé para não haver mudança no enquadramento. 

 HDR

Ao fotografar em contraluz tendo o sol no enquadramento, costumo usá-lo de forma criativa nas composições. Uma maneira que acho bonito e bem atraente para a cena, é torná-lo uma pequena estrela luminosa. 

Para conseguir esse resultado primeiramente deve-se fechar o diafragma para aberturas entre F16 e F22. E, em seguida, tentar esconder parte do sol com algum objeto da cena (um morro, uma árvore, um edifício, uma pessoa, etc.). Assim, cada lado do sol escondido criará pequenos raios saindo dele. O formato da estrela dependerá da lente que esteja usando. Com a lente grande angular que eu utilizo (Canon EF 17-40mm f/4L USM) consigo obter lindos resultados.

 Canon EOS 6D - EF 17-40mm f/4L USM - ISO 125 - 1/100 - F20 - 17mm

Fique atento ao "flare". Fotografar diretamente contra o sol poderá causar flare. Este é um efeito bem interessante e proposital em muitas fotos, mas nas imagens com contraluz, o flare geralmente não é aplicado.

Os flares são aquelas manchas de luz, circulares ou hexagonais, que aparecem quando a luz se reflete nos elementos internos da objetiva. Para evitar, deve-se usar o para-sol na lente ou mudar a posição da câmera. 

É importante também limpar o elemento frontal da sua lente. Cada partícula de poeira poderá ficar evidente na sua foto em situações de flare. 

 Canon EOS 6D - EF 24-105mm f/4L IS II USM - ISO 200 - 1/800 - F6,3 - 24mm

Contraluz não é algo que se aprende apenas lendo. Requer prática e, sobretudo, conhecer um pouco da sua câmera. Saia para fotografar em contraluz, aplique algumas dessas técnicas e verá que suas fotos ganharão mais vida. 

 

 

 

Publicado por: Ciro Amado Categoria: Aprenda

Comentários

Deixe seu comentário
Andrieferson Pereira Silva

Muito boa a matéria, comprei minha Dslr a pouco mais de um ano e quase não pratico fotos contraluz, mas agora fiquei com vontade de tentar fazer boas fotos! Valeu mesmo! Ótimas fotos!

Obrigado, Andrieferson. Continue de olho no Canon College para aprender ainda mais. ;)